06 maio 2020

FC Lidera Aliança Internacional

Fundação Champalimaud lidera consórcio internacional de investigação criado para alterar o curso da COVID- 19.

FC Lidera Aliança Internacional

A Fundação Champalimaud lidera um consórcio internacional de investigação clínica constituído para compreender melhor a natureza da COVID-19 e desenvolver tratamento para esta doença. O consórcio é composto por instituições de referência como o UCL de Londres, Reino Unido, Instituto Gustave Roussy, o maior centro de investigação em oncologia em França, o Centro de Medicina Experimental da Queen’s University de Belfast, Irlanda, o Centro Nacional de Doenças Infeciosas, em Roma, Itália e a Fundação Champalimaud, em Lisboa, Portugal.

Pela primeira vez, centros de cancro de todo o mundo, reconhecidos internacionalmente, e centros de doenças infeciosas trabalham em conjunto com o objetivo final de mudar o rumo da COVID-19.

Os fundadores deste consórcio reconhecem os benefícios imediatos para ambos os campos, doenças infeciosas e cancro, de uma colaboração na investigação, que leve a desenvolvimentos clínicos.

A Imunologia Clínica encontra-se numa encruzilhada em que a investigação biológica e clinicamente relevante se cruza com a prática clínica nas doenças infeciosas e no cancro, embora muitas vezes não exista uma interface cruzada entre estas disciplinas. As abordagens Imunológicas na vacinação, na gestão clínica e na terapia biológica e celular do cancro e das doenças infeciosas têm vários aspetos em comum. Uma interface estruturada e aberta com troca de dados clínicos, desenvolvimento de estudos clínicos e conceitos de tratamento, beneficiará ambos os campos, a imunoterapia oncológica e as terapias direcionadas ao hospedeiro - nas quais a resposta imunitária do paciente é manipulada ativamente para alcançar um resultado mais favorável.

"Existem vias comuns no cancro e nas doenças infeciosas, e ambos os domínios beneficiarão das vastas investigações e conhecimentos clínicos e de estudos clínicos devidamente realizados", salienta o Prof. Markus Maeurer, responsável pela Imuno-Cirurgia da Fundação Champalimaud e dinamizador deste projeto, na esperança de que este esforço colaborativo permita desenvolver diferenças tangíveis no tratamento de doentes com cancro ou doenças infeciosas, centrando-se na COVID-19.

"Trata-se de uma oportunidade única de congregar terapias diretas em realidade clínica, sempre controladas por estudos clínicos" nas palavras de Sir Alimuddin Zumla, Prof. de Doenças Infeciosas na UCL, Londres.

"O microbioma e as infeções influenciam a biologia do cancro" afirma o Prof. Laurence Zitvogel, Diretor do Programa Científico de Imuno-Oncologia no Instituto Gustave Roussy, o maior centro de investigação em oncologia em Paris, França.

"Uma abordagem de medicina em rede beneficiará ambas as disciplinas”, declara o Prof. Guiseppe Ippolito, Diretor do Centro Nacional de Doenças Infeciosas, H Spallanzani, em Roma, Itália, uma noção que já se traduz na realidade clínica, anunciada pelo Prof. Danny McAuley, do Centro de Medicina Experimental da Queen's University de Belfast, que participou recentemente em ensaios clínicos utilizando uma abordagem de terapia celular em pacientes com infeções graves de COVID-19 (ligação para o comunicado de imprensa do Queen's Hospital).

O consórcio encontra-se aberto à adesão de outros participantes que subscrevam, numa "união de propósito", a partilha de conhecimentos de investigação especializada, bem como a promoção ativa de conceitos clínicos promissores. Em breve, o consórcio também terá uma página de web dedicada, onde será disponibilizada informação sobre projetos em curso, organizações envolvidas e indicações sobre como outras entidades se podem juntar a esta iniciativa e contribuir para seu sucesso. A página deverá ficar disponível neste website.